XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Análise dos agentes estressores na Doença Inflamatória Intestinal

Introdução

Introdução: A Doença Inflamatória Intestinal (DII) é doença imunomediada crônica que pode evoluir para complicações comprometendo a qualidade de vida de seus portadores. Dessa forma, o estresse (físico e psicológico) precisa ser gerenciado por estratégias de enfrentamento, que são importantes para o convívio com a doença, podendo reduzir o impacto negativo da DII na vida dos pacientes.

Objetivo

O objetivo do estudo foi avaliar quais estratégias de enfrentamento são utilizadas pelos pacientes com DII.

Método

Metodologia: Estudo transversal e descritivo com inclusão de 114 portadores de DII. Para a análise da atividade clínica utilizamos o CDAI para Doença de Crohn (DC) e Escore de Mayo para (RCU). Para Qualidade de Vida (QV) o IBDQ, e para adesão ao tratamento e conhecimento da doença foram utilizados os questionários de Morisky e CCKNOOW, respectivamente. Para avaliação das estratégias de enfrentamento foi utilizado a Escala Brief COPE, composta por 28 itens, dividido em 14 subescalas: coping ativo, planejamento, uso de suporte instrumental, uso de suporte emocional, religião, ressignificação positiva, auto culpabilização, aceitação, expressão de sentimentos, negação, auto distração, desinvestimento comportamental, uso de substâncias e humor.

Resultados

Resultados: Foram incluídos 69 pacientes com DC e 45 com RCU, 58,77% mulheres, 52,63% com comorbidades, 51,75% em atividade clínica da doença. Internação prévia foi relatado por 56,14%; e 34,21% foram submetidos à cirurgia. QV foi Boa/Excelente em 66,67%; e 58,88% apresentaram baixa adesão ao tratamento. Conhecimento sobre a doença foi médio (6,21±3,99), sendo maior dentre os pacientes com DC (p=0,0148). As estratégias de enfrentamento adaptativas, nos quais o indivíduo se empenha em cooperar para que o agente estressor seja eliminado, mantiveram-se na média, sem diferença entre DC e RCU, porém com maiores pontuações nos pacientes com DC nos fatores relacionados a aceitação e religião. As estratégias desadaptativas também se mantiveram na média, sem diferença entre DC e RCU.

Conclusão

Conclusão: Pacientes com DII utilizam mais as estratégias de enfrentamento adaptativas que estão associadas a resultados desejáveis, tornando o desafio de lidar com a situação como meta de superação. Pacientes com DC utilizam as escalas de religião e aceitação de maneira mais favorável comparado aos pacientes com RCU, sendo também o grupo com maior conhecimento da doença e maiores taxas de cirurgia e hospitalização.

Palavras-Chave

Doença Inflamatoria Intestinal; Doença de Crohn; Retocolite Ulcerativa; Coping; Enfrentamento; Estressor

Área

Gastroenterologia - Intestino

Autores

Giedre Soares Prates Herrerias, Jaqueline Ribeiro Barros, Renata Medeiros Dutra, Rogerio Giedre Saad-Hossne , Julio Pinheiro Baima, Ligia Yukie Sassaki