XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Enteropatia induzida por olmesartana: uma inusitada causa de diarreia crônica

Apresentação do Caso

GPDA, masculino, 69 anos, previamente hipertenso, em uso regular de olmesartana 40mg/dia há 3 anos e diagnóstico recente de doença celíaca (DC). Admitido por queixa de diarreia disabsortiva, 6 episódios ao dia, associada a perda ponderal de 25 kg desde o início do quadro, há 9 meses, além de astenia. Vinha fazendo dieta sem glúten há 3 meses, sem melhora. Ao exame, encontrava-se emagrecido, hipocorado e desidratado. Sinais vitais estáveis. Auscultas cardíaca e pulmonar normais. Abdome escavado, porém, peristáltico e indolor à palpação. Laboratorialmente, exibia anemia normocítica/normocrômica e hipoalbuminemia. Trouxe consigo exames endoscópicos, cuja análise histopatológica revelou atrofia vilositária duodenal, com aumento de linfócitos intraepiteliais. No entanto, sorologias para DC colhidas na vigência de dieta com glúten foram negativas, e a dosagem de imunoglobulina A (IgA) era normal. Havia realizado também enteroscopia via cápsula endoscópica, cujo resultado corroborava os achados endoscópicos e excluía malignidade. Afastada etiologia infecciosa através de painel molecular. Solicitada genotipagem para HLA-DQ8/DQ2, sendo este último positivo. Diante da síndrome consumptiva apresentada pelo paciente, este recebeu aporte nutricional por via parenteral, prednisona 40mg/dia e foi suspensa a olmesartana. Após a interrupção da droga, houve a cessação dos episódios diarreicos. Paciente apresentou ganho ponderal e realizou nova endoscopia, após 6 meses, que comprovou a completa reepitelização da mucosa intestinal. O glúten foi gradualmente reintroduzido à sua dieta, sem novas queixas.

Discussão

A olmesartana é um antagonista do receptor de angiotensina II utilizado no tratamento da hipertensão arterial sistêmica desde 2002, capaz de provocar uma forma de enteropatia semelhante, clínica e histologicamente, à doença celíaca, porém soronegativa e que não responde à dieta isenta de glúten. Acredita-se que a droga promova uma inflamação imunomediada capaz de lesar o epitélio intestinal, com consequente absorção ineficaz de água e nutrientes, levando à diarreia crônica, deficit nutricional e perda ponderal.

Comentários finais

Os sintomas podem surgir meses ou anos após o início da terapia, e há rápida resolução destes com sua interrupção. A positividade do HLA-DQ2/DQ8 parece ser fator predisponente, tal qual no sprue celíaco. Assim, embora rara, esta condição clínica deve fazer parte do diagnóstico diferencial de diarreia crônica em indivíduos sob uso regular desta substância.

Palavras-Chave

Enterite; Olmesartana; evento adverso

Área

Gastroenterologia - Intestino

Autores

Bruna Cerbino de Souza, Andrea Ferreira Haddad, Jorge Sabino, José Galvão-Alves