XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Hemorragia digestiva por GIST de jejuno: Relato de Caso

Apresentação do Caso

Mulher, 59 anos de idade, com histórico de quatro internações por enterorragia e anemia grave, sendo a 1ª delas em 2016. Nas internações foram realizadas endoscopia digestiva alta e colonoscopia que não evidenciaram motivo do sangramento. Após avaliação ambulatorial na gastroenterologia em novembro de 2020, realizou outros exames complementares: cápsula endoscópica (14/12/2020) que evidenciou lesão elevada em jejuno proximal, com ulceração em superfície; enteroressonância magnética contrastada (29/12/2020) que mostrou lesão expansiva, vegetante de contorno lobulado, com realce heterogêneo, protruindo para a luz do jejuno proximal, a aproximadamente 10,0 cm do ângulo de Treitz, medindo cerca de 3,0 x 3,4 x 2,3 cm. A paciente foi submetida a enterectomia segmentar de jejuno proximal e enteroenteroanastomose em abril de 2021. O histopatológico da peça revelou tumor estromal gastrointestinal (GIST) com as seguintes características: lesão de 2,6 cm no maior eixo; grau histológico: G1 (Baixo grau); avaliação de risco: baixo (4,3%) (Miettinen e Lasota, 2006); morfologia predominantemente fusiforme, comprometendo camada submucosa e muscular própria, tangenciando serosa; mitoses: 2 mitoses em 5 mm²; necrose: não detectada; invasão angiolinfática: não detectada; margens cirúrgicas: livres de neoplasia e estadiamento patológico: pT2 (AJCC, 8 th ed.). No laudo imuno-histoquímico (27/04/2021) os anticorpos: 1A4 e Desmina foram negativos, enquanto o CD34, CD117 e Caldesmon foram positivos. Paciente evoluiu de forma favorável, com resolução dos episódios hemorrágicos, e atualmente está em acompanhamento ambulatorial com oncologista.

Discussão

O tumor estromal gastrointestinal (GIST) é a neoplasia mesenquimal do trato digestório mais comum, sendo sua origem das células intersticiais de Cajal e representa 1% das neoplasias deste sítio. O intestino delgado compreende o segundo local mais atingido e clinicamente pode se apresentar como hemorragia digestiva obscura.

Comentários finais

A intervenção cirúrgica com obtenção de margens cirúrgicas livres de tumor é o único tratamento curativo existente para GIST. O tratamento adjuvante com Imatinib é indicado quando houver risco intermédiário ou alto de recorrência por meio de avaliação de fatores de prognóstico como tamanho, localização e índice mitótico.

Palavras-Chave

GIST; tumor estromal; cápsula endoscópica; hemorragia digestiva

Área

Gastroenterologia - Intestino

Autores

Mariane de Souza Campos Costa, Anne Beatriz de Lima Loiola, Geovana Ribeiro da Silveira, Jessé Bisconsin Torres, Lorena Corrêa de Moraes, Thianny Liz Machado Santos, Douglas Dallas Muniz Dias, Tarick de Oliveira Leite, Tiago Magalhães Cardoso, Ananda Castro Chaves Ale, Aline de Vasconcellos Costa e Sá Storino