XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TRANSPLANTE DE MICROBIOTA FECAL E RETOCOLITE ULCERATIVA: REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA

Introdução

A retocolite ulcerativa (RCU) é uma doença inflamatória crônica de etiologia ainda não completamente elucidada. Dados recentes apontam uma relação entre a disbiose intestinal e a patogênese da RCU. Portanto, o transplante de microbiota fecal (TMF) tem sido considerado como uma alternativa para o tratamento da doença.

Objetivo

Avaliar por meio de uma revisão sistemática da literatura, as evidências do impacto do TMF na indução da remissão clínica, endoscópica e laboratorial em pacientes com RCU.

Método

A busca literária foi realizada na base de dados da MEDLINE, através do PubMed, sem restrição de tempo de busca. Ao todo, foram encontrados 195 artigos. A partir da leitura dos títulos, foram selecionados 31 artigos para leitura dos resumos. Após análises através de critérios de exclusão e inclusão, 9 publicações foram analisadas nesse estudo.

Resultados

Dos 9 estudos selecionados, 55% (5/9) realizaram ensaios clínicos. Um total de 612 pacientes foram avaliados, com uma média de 68 participantes por trabalho. A faixa etária dos participantes variou de 7 a 60 anos, tendo 88% (8/9) dos estudos a média de idade na terceira ou quarta décadas de vida. Em 77% (7/9) dos trabalhos, os pacientes apresentaram Escore Clínico Mayo entre 3 e 10, sendo incluídos pacientes graves apenas em 22% (2/9) dos estudos. A associação entre o FMT e a remissão clínica, se mostrou positiva em 77% (7/9) dos estudos. Todos os trabalhos que avaliaram a resposta clínica apontaram melhora dos pacientes. A remissão endoscópica foi analisada em 7 dos 9 estudos, apresentando resultados positivos em 71% (5/7). O acompanhamento laboratorial foi realizado apenas em 22% (2/9) dos estudos, e estes relataram melhora significativa dos parâmetros avaliados no grupo que recebeu o transplante. Não foi evidenciada diferença significativa no risco de desenvolver efeitos adversos entre quem recebeu o transplante heterólogo e o placebo. A amostra das fezes, em média de 80 g, foi preparada com solução salina em 88% (8/9) dos artigos, com média de 400ml de solução. A via de infusão utilizada em 67% (6/9) dos trabalhos foi a colonoscopia, entretanto não houve uma abordagem padronizada acerca do protocolo do transplante ou do preparo dos pacientes pré-TMF.

Conclusão

O TMF tem-se mostrado eficaz na indução da remissão clínica da RCU, porém são necessários estudos clínicos com maior impacto científico para concretizar esta nova modalidade terapêutica.

Palavras-Chave

Retocolite
Transplante de microbiota
RCU
Disbiose

Área

Gastroenterologia - Intestino

Autores

Felipe Bertollo Ferreira, Maria Antonia Lopes de Sousa, Marina Boechat Melado, Ana Paula Hamer Sousa Clara, Felipe Welling Lorentz, Fabiano Quarto Martins, Lívia Zardo Trindade, Mariana Poltronieri Pacheco, João Eugênio Loureiro Lopes