XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS DA MORTALIDADE POR NEOPLASIA MALIGNA DE ESÔFAGO NA REGIÃO SUL DO BRASIL NA ÚLTIMA DÉCADA

Introdução

A neoplasia maligna de esôfago (NME) é o sexto mais frequente entre os homens e o 15º entre as mulheres. No Brasil, a taxa de incidência varia entre 9,15 a 18,5 casos por 100.000 habitantes.

Objetivo

Descrever o perfil de mortalidade por NME na região sul do Brasil, durante o período de 2010 a 2020, comparando a faixa etária, cor/raça e o sexo.

Método

Realizou-se, em maio de 2021, um estudo epidemiológico transversal utilizando a base de dados do Departamento de Análise em Saúde e Vigilância das Doenças Não Transmissíveis (DASNT), selecionando o painel de monitoramento da mortalidade CID-10, filtrando por neoplasia maligna de esôfago, ano, faixa etária, óbitos, cor/raça, região brasileira e sexo de 2010 a 2020.

Resultados

No período estudado, no Brasil ocorreram 83.346 óbitos por NME, sendo 21.581 (26%) na região Sul. Deste número, registrou-se 7.005 (32%) óbitos no Paraná, 4.023 (19%) em Santa Catarina e 10.553 (49%) no Rio Grande do Sul. Por sexo, 5.009 (23%) feminino e 16.572 (77%) masculino. Por faixa etária, 1 (0,05%) óbito de 0 a 19 anos, 177 (0,95%) de 20 a 39 anos, 6.462 (33%) de 40 a 59 anos, 11.605 (53%) de 60 a 79 anos e 2.945 (14%) com 80 anos ou mais. Por cor/raça, 17.474 (81%) óbitos em brancos, 1.975 (9%) pardos, 1.428 (7%) pretos, 42 (0,4%) amarelos, 26 (0,1%) indígenas e 636 (2,5%) ignorados.

Conclusão

Na última década, o estado do Rio Grande do Sul teve maior prevalência de mortalidade por NME, quando comparado aos outros estados da região Sul. Ainda, o sexo masculino registrou maior óbito que o feminino. A faixa etária geriátrica de 60 a 79 anos dominou a mortalidade na região. Ademais, a cor/raça branca prevaleceu com maiores casos de mortalidade no sul do país.

Palavras-Chave

Epidemiologia; Mortalidade; Neoplasia maligna de esôfago;

Área

Gastroenterologia - Esôfago

Autores

Bárbara Franccesca Brandalise Bassani, Andrei Leonardo Schuster, Paulo Roberto Cardoso Consoni