XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RELAÇÃO DE ESCOLARIDADE E COR COM FREQUÊNCIA E ESTADIAMENTO DE CÂNCER GÁSTRICO NO CEARÁ

Introdução

O câncer gástrico (CG) é a 2° neoplasia maligna mais diagnosticada no mundo¹ e a 3° que mais mata no Brasil . A sua frequência está associada classicamente a grupos socioeconômicos mais pobres, a pretos e a países em desenvolvimento , o que é atribuível principalmente ao alto consumo de sal, à presença do Helicobacter pylori e ao menor acesso a políticas preventivas² . Apesar das taxas de CG diminuírem continuamente nos últimos 70 anos nos países desenvolvidos, no Brasil os números se mantêm e há pouca divulgação sobre medidas de rastreamento e de combate à doença³

Objetivo

Investigar a correlação da escolaridade e da cor/raça com a frequência e o estadiamento de Câncer Gástrico, com o intuito de auxiliar a identificação e o direcionamento das condutas preventivas

Método

Este é um estudo retrospectivo, com base nos dados da plataforma do INCA, em que se estratificou as informações sobre escolaridade e raça/cor, comparando-se com o estadiamento TNM dos pacientes diagnosticados com neoplasia gástrica, no período de 2010 a 1018, no Ceará

Resultados

Dos 5474 casos de Câncer de Estômago catalogados, quanto ao nível educacional, 13,9% possuem nível médio; 0,6%, nível superior; 66,1%, nível fundamental e cerca de até 19,3% nunca frequentaram a escola. Quando comparado com a estratificação do estadiamento TNM, não houve diferenças nas taxas de escolaridade entre os estágios, não revelando associação de escolaridade e estágio da doença. É possível inferir assim que o baixo nível educacional está relacionado a fatores de risco (tabagismo, obesidade, etilismo...) para o desenvolvimento do câncer, mas não representa um fator de gravidade ao estadiamento. Na análise do perfil raça/cor, 84,4% dos pacientes eram pardos; 1,2%, pretos; 0,67%, indígenas e 11,8%, brancos. Nota-se dessarte que a cor parda conota como possível fator de risco para CG. Esses dados discordam de diversos trabalhos asiáticos que apontam a cor branca como um fator de risco para a neoplasia, corroborando a tese de que etnia/cor não tem relação direta com o CG, mas sim as condições socioeconômicas, culturais e educacionais em que esses grupos estão inseridos

Conclusão

O perfil dos pacientes diagnosticados com Câncer de Estômago, no estado cearense, demonstra uma maior incidência em indivíduos pardos e com baixo nível educacional a níveis notadamente maiores que o da população geral. Com isso, fica clara a maior exposição de grupos socialmente mais vulneráveis a fatores de risco que predispõem essa neoplasia com alta taxa de malignidade.

Palavras-Chave

câncer gástrico; baixa escolaridade; fatores de risco; Ceará

Área

Gastroenterologia - Estômago/Duodeno

Autores

Vinícius Sousa Morais, Guilherme Augusto Minato, Jaime Ventura Silva Junior, Thaylise Caroline Yurk, Juliana Emi Shimabukuro, Francisco Lourenço Lima Junior