XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Doença de Whipple como diagnóstico diferencial de diarreia crônica: um relato de caso

Apresentação do Caso

Paciente feminina, 59 anos, com história prévia de artrite reumatoide (AR) soronegativa. Dez anos após o diagnóstico de AR, paciente iniciou quadro de diarreia crônica com presença de sangue, além de inapetência, vômitos e perda ponderal. Foram realizados exames iniciais: as sorologias eram negativas, apresentava IgG discretamente aumentada, FAN não reagente, função tireoidiana preservada, anemia e hipoalbuminemia importante. O exame de fezes sem alterações. A TC de abdômen sugeria enterite. Já o exame endoscópico evidenciava, em intestino delgado, mucosa hiperemiada com realce de vilosidades associado a placas esbranquiçadas aderidas à mucosa, sendo interrogado linfangiectasia. A biopsia mostrava inicialmente uma enterite crônica inespecífica. Diante do quadro de gastroenteropatia perdedora de proteínas, interrogamos doença de Whipple (DW). Por isso, solicitando uma revisão de lâmina de biópsia com coloração periódica de ácido-Schiff (PAS), que confirmou DW. Iniciamos tratamento com antibióticos e paciente evoluiu com boa resposta.

Discussão

A DW é uma doença infecciosa crônica, causada pela bactéria Tropheryma whipplei, que acomete principalmente o trato gastrointestinal, mas também pode envolver outros sistemas como articular e nervoso central. É uma patologia rara, com incidência de 30 casos por ano.
O quadro clínico pode ser variável, mas existem quatro sintomas cardinais: artralgia, perda ponderal, diarreia e dor abdominal. A artralgia é o sintoma mais recorrente, podendo estar presente em até 80% dos casos e pode preceder os outros sintomas em até 6 anos.
Os sintomas gastrointestinais costumam aparecer de forma mais tardia e se manifestam com diarreia intermitente, dor abdominal em cólica, perda de peso, esteatorréia e sangue oculto nas fezes. A DW também pode apresentar sintomas sistêmicos, acometimento cardíaco, pulmonar, dermatológico e manifestações neurológicas como demência, nistagmo e miorritmias. Entre os achados laboratoriais destaca-se hipoalbuminemia.
A forma diagnóstica para DW mais aceita é a realização de biopsia de intestino delgado para pesquisa de histologia com PAS. As alterações que são características de DW são: vilosidades dilatadas, ectasia de vasos linfáticos, edema de mucosa. O tratamento é feito com antibioticoterapia por um ano.

Comentários finais

Como é uma doença rara com sintomas inespecíficos é importante o conhecimento da doença visando alta suspeição para diagnóstico e tratamento.

Palavras-Chave

DIARREIA, DOENÇA DE WHIPPLE, HIPOALBUMINEMIA

Área

Gastroenterologia - Intestino

Autores

ISABELLE FALEIROS FERNANDES, LARA VEIGA FREIRE, NATALIA ENGLER RAVASIO, DANIELA SILVA GALO, LIVIA JAYME PAULUCCI, VANESSA MADRID VIVO, RONIKI CLEAN SA FLORENCIO, Edla Polsinelli Bedin Mascarin Do Vale