XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Vasculite reumatóide como causa de pseudo-obstrução intestinal: relato de caso

Apresentação do Caso

Paciente de 59 anos, feminina, com artrite reumatóide (AR) há 8 anos, em uso de prednisona 20 mg por dia e adalimumabe a cada 14 dias. Após suspensão das medicações, iniciou quadro de dor abdominal difusa, náuseas, vômitos, hiporexia, inchaço abdominal pós-prandial e evacuações diarreicas com muco. Foi tratada inicialmente como gastrite e enterite infecciosa, sem melhora. Evoluiu com emagrecimento, edema de membros inferiores, febre e episódios de hipoglicemia. Foi internada para investigação e início de dieta parenteral. Tinha anemia e hipoalbuminemia, com proteína C reativa e tempo de protrombina elevados. Realizadas colonoscopia e endoscopia digestiva alta, que não tinham alterações relevantes. Tomografia mostrou íleo com paredes espessadas, jejuno com estreitamento tubular, alças dilatadas e paredes espessadas, sem níveis hidroaéreos. Enteroscopia anterógrada mostrou erosões lineares, rasas e bem delimitadas em terço médio a distal do intestino delgado, com úlcera circunferencial subestenosante. Biópsias revelaram intenso infiltrado inflamatório neutrofílico e lesões ulceradas com crosta fibrinoleucocitária, sem achados sugestivos de Doença de Crohn ou neoplasia. Foi feita hipótese de Vasculite Reumatóide (VR) e reiniciada corticoterapia, com nítida melhora. A seguir foi reintroduzido adalimumabe e associada azatioprina 50 mg por dia. Repetida enteroscopia anterógrada 8 meses depois, com desaparecimento total das lesões. A paciente se manteve assintomática e recuperou peso.

Discussão

A VR é uma afecção rara, descrita apenas em séries de casos, mas de evolução grave. Normalmente cursa de forma aguda, podendo evoluir com infarto e perfuração intestinal. Em outros casos, como o relatado, evoluem de forma mais gradual. A definição diagnóstica de vasculite é raramente estabelecida pela histologia, sendo necessário combinar achados macroscópicos e a história de AR para chegar ao diagnóstico. A VR nem sempre ocorre junto com a piora da AR e deve ser investigada quando um paciente com AR tiver sintomas gastrointestinais, principalmente durante a redução de imunossupressores.

Comentários finais

O curso clínico, a morfologia e a localização das úlceras tornaram menos prováveis outros diagnósticos como isquemia, linfoma, doença de Crohn e enterite infecciosa. O diagnóstico de VR foi mantido pela melhora clínica e endoscópica com a corticoterapia.

Palavras-Chave

pseudo-obstrução intestinal, úlceras intestinais, artrite reumatóide.

Área

Gastroenterologia - Intestino

Autores

Cíntia Mitsue Pereira Suzuki, Mariana Barros Marcondes, Cássio Vieira Oliveira, Ligia Yukie Sassaki, Fernando Gomes Romeiro