XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Ascite pancreática em paciente cirrótico, relato de caso

Apresentação do Caso

Paciente com história etilismo crônico, consumo diário de aproximadamente 330g de álcool / dia. Após episódio de alcoolismo, apresentou sintomas de mal-estar, fraqueza, tontura e dispneia, associados ao aumento do volume abdominal, sendo encaminhado ao pronto socorro. Encontrava-se com abdome globoso, ascítico, presença de circulação colateral e edema de extremidades. Após medidas iniciais para estabilização, foi submetido a exames laboratoriais, tomografia de abdome com contraste que evidenciou volumosa ascite com sinais de pancreatite crônica complicada com pseudocistos, além de hepatopatia crônica. A ultrassonografia de abdome com Doppler identificou sinais de hipertensão portal. Foram feitas várias paracenteses de alívio e diagnósticas, frente ao aumento rápido do volume abdominal, sintomas álgicos e dispneia. Dentre todas as análises, chamava atenção o valor persistentemente elevado da enzima amilase. Embora o cálculo do gradiente albumina soro/ascite (GASA) fosse maior que 1.1, sugerindo ascite por hipertensão portal, a amilase elevada levantou a hipótese da origem pancreática, confirmada através de colangioressonância que identificou uma fístula pancreática. O manejo clínico da ascite foi baseado na paracentese de alívio, associada à dieta parenteral e administração de octreotida na dose de 100mg a cada 8 horas, resultando em diminuição do volume abdominal e aumento do intervalo de tempo entre as drenagens de fluidos abdominais. Durante a internação, o paciente desenvolveu encefalopatia hepática que complicou com pneumonia aspirativa, insuficiência respiratória aguda, choque séptico e parada cardiorrespiratória (PCR), falecendo um mês após o início do quadro sem possibilidade de terapia intervencionista.

Discussão

A ascite pancreática é uma causa rara de ascite e geralmente aparece como consequência da pancreatite crônica. Resulta do excesso de líquido exsudativo intraperitoneal, rico em amilase e proteínas, comumente originado de um pseudocisto ou ruptura do ducto pancreático. Tipicamente, os pacientes apresentam dor abdominal leve, hiporexia e sensação de plenitude. O diagnóstico é caracterizado por níveis elevados de amilase, proteínas e baixo gradiente sérico de albumin no líquido ascítico.

Comentários finais

Ascite pancreática é uma entidade rara e tanto mais, quando ocorre em um paciente cirrótico. O manejo da ascite cirrótica é diferente quando há PA e os médicos devem estar cientes dessa possibilidade.

Palavras-Chave

Ascite, Fístula Pancreática, Pancreatite Crônica, Cirrose Hepática

Área

Gastroenterologia - Pâncreas e Vias Biliares

Autores

Renata Gizani de Moura Leite, Anna Paula Mendanha da Silva Aureliano, Sara Cardoso Paes Rose, Luana Dantas Barbosa, Liliana Sampaio Costa Mendes