XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ASSOCIAÇÃO DE HEPATITE AUTOIMUNE E CRISE TIREOTÓXICA: RELATO DE CASO

Apresentação do Caso

V.R.S., 27 anos, feminina, quadro de 20 dias de dor abdominal, vômitos pós-prandiais, icterícia, colúria, diarréia líquida, associado a taquicardia, queda de cabelo, febre de até 38,5ºC e perda ponderal de 10kg em 5 meses. Exames admissionais com aumento de aminotrasferases, TAP alargado, hiperbilirrubinemia às custas de bilirrubina direta, e alteração de hormônios tireoideanos (INR 1,55/Bilirrubina total 5,5 mg/dL / BD 4 mg/dL /ALT 1821 U/L / AST 1722 U/L / T4 livre 7,4 mUi/L /TSH 0,01 mUi/L). Sorologias virais e auto-anticorpos hepáticos não reagentes, hipergamaglobulinemia policlonal discreta, anti-receptor de TSH (TRAB) reagente; FAN reagente 1/160 – padrão nuclear pontilhado centrométrico. Definido diagnóstico de crise tireotóxica e iniciado tratamento com corticoterapia venosa (para bloqueio de conversão periférica de T4 em T3) e plasmaférese, com posterior radioiodoterapia. Paciente evoluiu com melhora clínica e laboratorial, normalização de enzimas e função hepática, assim como dos hormônios tireoideanos. Após retirada rápida de corticóide, apresentou novos picos febris, sem alterações laboratoriais e rastreio infeccioso negativo, com melhora completa após reindrodução de prednisona. Realizada então biópsia hepática, evidenciando achados sugestivos de HAI. Score diagnóstico de HAI=19 pontos, iniciada então terapia imunossupressora com azatioprina e prednisona.

Discussão

O fígado realiza papel essencial na fisiologia de ativação e inativação, transporte e metabolismo de hormônios tireoideanos, estes que afetam a atividade dos hepatócitos e do metabolismo hepático. Testes de função hepática podem ser alterados nos casos de hipertireoidismo pelo estresse oxidativo, colestase ou atividade exacerbada de osteoblastos. Achados histológicos são inespecíficos, podendo apresentar colestase intra-hepática, esteatose e discreto infiltrado inflamatório polimorfonuclear e/ou linfocítico. A HAI tem etiologia pouco definida, predominantemente em indivíduos do sexo feminino, presença de autoanticorpos e pode estar associada a outras doenças autoimunes, entre elas o hipertireoidismo. Os achados histológicos característicos são: infiltrado linfoplasmocitário, hepatite de interface e rosetas.

Comentários finais

O diagnóstico diferencial da hepatopatia associada à crise tireotóxica e da HAI pode ser difícil, sendo necessária adequada avaliação laboratorial e histológica.

Palavras-Chave

hepatite autoimune, crise tireotóxica, doença de Graves

Área

Gastroenterologia - Fígado

Autores

Lucia Safatli Barbosa, Lorena Rocha Dias Machado, Dayana Peterle Christo, Nayanny Pereira de Sá Lima, Luiz Fillipe do Carmo Zanotti, Verônica Grobério Nicoli, Maria Zuleide Felizola Leão Almeida, Caiane Santos Rios, Anelisa Sena Machado, Jhankarla Salazar Hinojosa, Pedro Henrique Oliveira Brito de Alencar, Roberto Gomes da Silva Junior, Maria Luiza Queiroz Miranda, Andrea Vieira, Perla Oliveira Schulz Mamone