XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Infeção por Covid-19 num paciente com Hepatite autoimune

Apresentação do Caso

Paciente do sexo masculino, 33 anos, negro, com seguimento de 2 anos para cirrose hepática autoimune Child A, sem hipertensão portal, em uso de medicação com azatioprina 100 mg ao dia. Apresentando analiticamente com: AST- 70 U / L, ALT- 64 U / L, Tbil- 14 umol / L, Hgb- 14,1 g / dL, Wbc- 4700 u / l, Linf- 1900 u / l, PLT- 207 000 u / l
Apresenta-se referindo 1 semana com cansaço, perda do paladar e icterícia. Suas 2 filhas testaram positivo para Covid-19.
Com hábitos moderados de álcool. Seu pai falecido e com uma história obscura de doença hepática.
Negativo para HIV, hepatite B e hepatite C. Sem histórico de outras doenças médicas e cirúrgicas, alergias ou tabagismo. Testado para COVID-19 e foi positivo.
Estudos: AST- 1039 U / L, ALT- 848 U / L, Tbil- 75 umol / L, Dbil-48 umol / L, INR-1.4, Hgb- 13,0 g / dL, Wbc- 4000 u / l, Linf- 1600 u / l, PLT- 214 000 u / l.
Azatioprina mantida em 100mg ao dia, iniciada prednisolona 0,5mg / kg / dia, vitaminas C e D e sulfato de zinco com melhora dos sintomas em 2 semanas.
Acompanhamento após 3 meses sem queixas. Analiticamente: AST- 461 U / L, ALT- 467 U / L, Tbil- 29 umol / L, INR-1,2, Hgb- 15,0 g / dL, Wbc- 5600 u / l, Linf- 2300 u / l, PLT- 200.000 u / l.

Discussão

A infecção por coronavírus 2 (SARS-CoV-2) com síndrome respiratória aguda grave resultante doença por coronavírus (COVID-19) continuam a ter um impacto devastador em todo o mundo. A influência precisa de COVID-19 no fígado permanece obscura.
Nenhum estudo avaliou ainda o curso da doença e os resultados especificamente para pacientes com hepatite autoimune (HAI), uma grande proporção dos quais estará em uso de agentes imunossupressores concomitantes.
As recomendações atuais de especialistas advogam contra a modificação de rotina da terapia imunossupressora em pacientes com hepatite autoimune antes e depois da infecção por SARS-CoV-2; no entanto, há pouca evidência além do consenso de especialistas e coortes muito pequenas para apoiar essas recomendações.
Anormalidades na bioquímica hepática são comuns em pacientes com COVID-19 (15–65%) de indivíduos infectados com SARS-CoV-2.
Podem ocorrer elevações leves (1–2 vezes o limite superior do normal) dos níveis de ALT (29–39%) e AST (38–63%). Lesão hepática grave, elevação do nível de bilirrubina sérica e disfunção de síntese hepática são raras em pacientes infectados com SARS-CoV-2.

Comentários finais

Mais estudos são necessários para avaliar o curso da doença e os resultados na hepatite autoimune (HAI)

Palavras-Chave

Hepatite autoimune, Covid 19

Área

Gastroenterologia - Fígado

Autores

Ema Lúcia Moisés Nassone, Regina Victor, Abdul Gany Mussagi, Mussagy Tarmamade, Muhammad Ismail, Michella Loforte, Liana Vasco Mondlane