XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Proctocolite por Clamydia trachomatis em paciente portador de HIV como diagnóstico diferencial de Doença Inflamatória Intestinal (DII)

Apresentação do Caso

Homem, 43 anos, portador de vírus da imunodeficiência humana (HIV), carga viral indetectável, CD4 1098 cel/mm3, admitido em maio/2020 com dor abdominal, hematoquezia, 10 evacuações/dia com sangue e muco, dor anal e tenesmo, há 2 meses. Exames com PCR elevada, sorologia para sífilis reagente 1/1. Colonoscopia com 2 úlceras retais de 11 mm e anatomopatológico (AP) compatível com retite crônica ulcerativa em atividade, sem agentes oportunistas. Pela suspeita de DII foi iniciado mesalazina retal, com melhora parcial dos sintomas, retornando com tenesmo e urgência fecal. Retossigmoidoscopia com úlceras retais, 6-20 mm, e AP semelhante ao prévio. Em abril/2021, veio com piora dos sintomas, em uso de mesalazina oral (3,2 g/dia), a qual foi suspensa e iniciado ciprofloxacino e metronidazol. Mantendo dor anal, tenesmo e urgência fecal, realizou nova colonoscopia com 3 erosões elevadas em ceco, de 2 mm, e úlcera retal ocupando 70% da luz, pesquisa negativa para sífilis, herpes, citomegalovírus (CMV) e fungos, e retite em atividade. Pelo contexto clínico-epidemiológico e indisponibilidade de testes específicos, iniciado doxiciclina 100mg de 8/8h por 21 dias, pensando em proctite por Clamydia trachomatis. Paciente retornou assintomático com desaparecimento das lesões na retossigmoidoscopia.

Discussão

Mais de 50% dos pacientes HIV podem apresentar diarreia, sendo importante afastar infecções secundárias, neoplasia e enteropatia pelo HIV. A Chlamydia trachomatis é o agente causador do Linfogranuloma venéreo (LGV), infecção ulcerativa genital transmitida sexualmente, com número crescente de casos entre homens que fazem sexo com homens (HSH), portadores de HIV, manifestando-se com úlcera retal e síndrome anoretal, independente da imunossupressão. Diagnóstico deve excluir infecções, neoplasia e condições inflamatórias como a DII, confirmado com PCR para Chlamydia por swab das lesões retais. O tratamento recomendado é doxiciclina por 21 dias para portadores de HIV.

Comentários finais

O LGV pode se manifestar como proctocolite, sendo uma DST em ascensão em HSH portadores de HIV, não relacionada à imunossupressão, devendo-se fazer o diferencial com outras causas infecciosas, neoplasia e DII, principalmente DC.

Palavras-Chave

Linfogranuloma venéreo; Chlamydia trachomatis; HIV; Doença Inflamatória Intestinal

Área

Gastroenterologia - Intestino

Autores

Renata de Medeiros Dutra, Ana Glaucia Kerber, Maria Cecília Aragão, Larissa Roseiro, Rogerio Saad-Hossne Saad-Hossne , Julio Pinheiro Baima, Francielen Furieri Rigo, Ligia Yukie Sassaki