XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Disritmia gástrica evidenciada por eletrogastrografia em paciente pós infecção por COVID 19

Apresentação do Caso

Paciente masculino, 19 anos, portador de Síndrome de Hipermobilidade, com diagnóstico de COVID-19 leve em dezembro de 2020. Após duas semanas iniciou quadro de dor em abdome superior, náuseas e plenitude pós prandial. Fez uso de antieméticos, inibidor de bomba de prótons e procinéticos sem melhora. Realizou tomografia de abdome que evidenciou acentuada distensão da câmara gástrica. Na investigação de provável gastroparesia foi solicitado tempo de esvaziamento gástrico por cintilografia e eletrogastrografia (EGG). A cintilografia evidenciou porcentagem do esvaziamento gástrico dentro dos limites da normalidade e a EGG demonstrou bradigastria no período basal em jejum, sendo otimizado a dose de procinético e orientado dieta fracionada com melhora parcial dos sintomas.

Discussão

Gastroparesia é definida por um retardo do esvaziamento gástrico que pode se apresentar clinicamente com náuseas, vômitos, plenitude pós-prandial, distensão e dor abdominal. O padrão-ouro para seu diagnóstico é a cintilografia de tempo de esvaziamento gástrico, porém métodos novos e menos invasivos como a EGG que avalia a atividade elétrica gástrica vêm ganhando espaço. Sua etiologia pode estar associada ao diabetes mellitus, iatrogênica, pós infecciosa ou idiopática. Recentemente tem sido encontrado sintomas típicos de gastroparesia, como náuseas e vômitos, em pacientes com COVID-19. Sabe-se que o Sars-Cov-2 entra nas células através da enzima conversora de angiotensina 2, que é expressa em todo o trato gastrointestinal. Postula-se que o vírus pode levar à gastroparesia seja por invasão direta ou mediada imunologicamente. Chama atenção no caso relatado a relação dos sintomas com a bradigastria encontrada na EGG, mesmo com o tempo de esvaziamento gástrico normal pela cintilografia. Esse achado é compatível com o que já foi descrito na literatura em outras etiologias de gastroparesia e pode significar um ganho no estudo da fisiopatologia das manifestações gástricas da COVID-19.

Comentários finais

A identificação de disritmias gástricas por meio da EGG pode auxiliar no diagnóstico e manejo de pacientes com sintomas de gastroparesia que possuem tempo de esvaziamento gástrico normal. Faz-se necessário também estar atento às manifestações gastrointestinais causadas pela COVID-19, o que inclui a ocorrência de gastroparesia conforme descrito neste relato.

Palavras-Chave

Eletrogastrografia, COVID-19, Esvaziamento gástrico

Área

Gastroenterologia - Motilidade Digestiva

Autores

Marcel Lima Andrade, Diego Brandão Oliveira, Paulo José Pereira Campos Carvalho, Nayara Salgado Carvalho