XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PERFIL DE INTERNAÇÕES POR NEOPLASIA MALIGNA DE ESTÔMAGO NO BRASIL EM UMA DÉCADA

Introdução

A Neoplasia Maligna de Estômago (NME) configura a quarta neoplasia mais frequente no mundo, alcançando altos índices de mortalidade. Diversos fatores estão associados com a incidência de NME, entre eles: infecção por Helicobacter pylori e/ou Epstein-Barr (EBV), idade avançada e sexo biológico, hábitos nutricionais, obesidade, tabagismo, histórico familiar. Os tumores podem ser classificados quanto suas características anatômicas (Siewert I, II e III), histológicas (intestinal e difuso) e moleculares relacionadas à infecção pelo EBV e fatores genéticos

Objetivo

Descrever a prevalência de internações decorrentes de Neoplasia Maligna de Estômago nas cinco regiões brasileiras, no período entre 2010 e 2020.

Método

Trata-se de um estudo de caráter documental, descritivo e transversal, com abordagem quantitativa, a partir da análise de dados do Sistema de Informações Hospitalares (SIH), disponibilizados pelo Departamento de Informática do SUS (DATASUS). As variáveis de interesse para pesquisa foram: região, faixa etária, sexo biológico, ano de processamento e cor da pele. As variáveis foram tabuladas no programa Microsoft Office Excel 2016 e estruturadas por estatística descritiva

Resultados

Entre 2010 e 2020 foram registradas 274.738 internações por NME. O percentual de casos nas regiões foram: Norte (4,7%), Nordeste (20,5%), Sudeste (45,6%), Centro-Oeste (5,7%) e Sul (23,3%). Em 2019 foram notificadas 32.957 internações, maior quantitativo da década. O sexo masculino quantificou 177.660 (64,66%) e o feminino 97.078 (35,33%). Segundo a variável cor/raça as incidências nas populações foram: Branca (42,74%), Preta (4,8%), Parda (34,07%), Amarela (1,3%), Indígena (0,03%) e 16,97% não foram identificados segundo cor/raça. As faixas etárias notáveis para ocorrência de NME corresponderam as compreendidas entre: 40 a 49 anos (11,48%), 50 a 59 anos (23,28%), 60 a 69 anos (29,32%) e 70 a 79 anos (21,65%).

Conclusão

O Sudeste e o Sul apresentaram os maiores percentuais de internações por NME na última década no Brasil, a alta incidência pode estar relacionada aos hábitos nutricionais de suas populações. O sexo masculino mostrou-se mais suscetível às internações. No Brasil, indivíduos de cor Branca e Parda lideram como propensos aos agravos da NME. Caracteristicamente, a idade avançada continua sendo um importante fator de risco para desenvolvimento de NME acometendo pessoas acima dos 40 anos – sendo a faixa etária de 60 a 69 anos de maior índice de internação.

Palavras-Chave

Neoplasia; Estômago; Gastroenterologia

Área

Gastroenterologia - Estômago/Duodeno

Autores

Matheus da Silveira Maia MAIA, Ícaro Breno Rodrigues da Silva SILVA, Stéfane Vanessa de Sousa Peixoto PEIXOTO, Emerson de Lima Canto Júnior JÚNIOR, Antônio Saulo Leão Pantoja PANTOJA, Thiago Henrique de Aguiar Sousa SOUSA