XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Elevação de Transaminases como Manifestação Principal de Doença Celíaca: relato de caso

Apresentação do Caso

Paciente do sexo feminino, 33 anos, buscou atendimento ambulatorial após exames de rotina pós-parto sugerirem hepatite. Nega icterícia ou dor abdominal. Relata tendência à constipação, dificuldade para ganho ponderal e anemia sem causa aparente. Ao exame físico, hepatimetria normal e baço não palpável. Sorologias para hepatites virais negativas, porém valores aumentados de aspartato aminotransferase (66 U/L) e alanina aminotransferase (73 U/L). Devido à história pregressa e à ausência de alterações nos demais exames, aventou-se a hipótese de Doença Celíaca; confirmada por meio da positividade de autoanticorpos IgA (anti-endomísio, anti-transglutaminase tecidual, anti gliadina) e biópsia de intestino delgado (com acentuada atrofia de vilosidades, sugestivo de Doença Celíaca Marsh III). Após 5 meses de dieta livre de glúten a paciente retornou com melhora clínica e laboratorial.

Discussão

A doença celíaca é uma desordem autoimune que acomete cerca de 1% da população e tem o glúten como agente precipitante. Afeta indivíduos predispostos geneticamente e resulta da interação do glúten com o sistema imune, associado a fatores ambientais, levando à má absorção intestinal. Nos adultos, possui manifestações clínicas amplas e variáveis, de acordo com a gravidade do comprometimento do intestino delgado. Classicamente, ocorre diarreia acompanhada ou não de dor/desconforto abdominal. Anemia ferropriva e osteoporose podem surgir como manifestações silenciosas. Apresentações menos comuns incluem constipação, perda de peso, hipoproteinemia e elevação de enzimas hepáticas. O diagnóstico é feito por meio do quadro clínico, sorologias específicas e achados histopatológicos da biópsia intestinal. Nota-se uma forma clínica atípica no caso descrito, no qual a elevação de enzimas hepáticas, principalmente, e discreta anemia receberam destaque, sendo esclarecidas como apresentação inicial de doença celíaca, em um diagnóstico de exclusão.

Comentários finais

É perceptível que alterações de transaminases em indivíduos que não possuem doença hepática podem ser encontradas em pacientes com doença celíaca. Essas modificações são, na maioria das vezes, ocasionadas pelo aumento da permeabilidade intestinal, má absorção e gravidade crescente de lesão intestinal. Além disso, é notório que a dieta livre de glúten auxilia na normalização da função hepática, bem como na prevenção de complicações.

Palavras-Chave

Doença Celíaca; Transaminases; Dieta Livre de Glúten

Área

Gastroenterologia - Intestino

Autores

Natália Silva Carvalho, Gabriela Assunção Assis Vidigal, Linauer Cardoso Queiroz Junior, Maria Eduarda Nerva Almeida, Simone Viana Braga