XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Sobreposição de casos de Hepatites virais B, C e HIV notificados no Brasil ao longo de 11 anos.

Introdução

As infecções pelos vírus das hepatites e da imunodeficiência adquirida (HIV) apresentam elevadas taxas de incidência e prevalência no país. Devido a correlação dos modos de transmissão e fatores de risco, a coinfecção de HIV e hepatites B e C ocorrem com elevada frequência, sendo um desafio para a saúde pública.

Objetivo

Descrever o perfil epidemiológico dos casos de hepatites virais e HIV notificados no Brasil entre 2007-2018 e estabelecer uma correlação entre as curvas epidemiológicas destes vírus

Método

: Estudo ecológico, com dados agregados incluindo casos notificados de hepatites B,C e HIV no período entre 2007-2018 no Brasil. Os dados foram obtidos no Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN).

Resultados

Foram notificados 34.423 casos de hepatite virais em 11 anos. A incidência de hepatite B aguda permaneceu constante ao longo dos anos, enquanto a de hepatite B crônica quase dobrou de 7.857 para 14.695 em 2014. Entretanto, há uma inflexão nos casos de hepatite B crônica a partir de 2014, com redução desse número para 11.134 em 2018. Os casos de hepatite C aumentaram constantemente ao longo dos anos, sendo que o número de casos de hepatite C aguda subiu de 268 em 2007 para 843 em 2018, e o número de casos de hepatite C crônica cresceu de 10.901 para 17.465 no mesmo período. Em todas as hepatites virais, o sexo masculino foi predominante ao longo dos anos, com uma média de 54,5% de homens no total. Nas diversas formas de hepatite B e C, a incidência é maior na idade adulta: durante o período analisado, os casos predominam nas faixas etárias de 20-39 anos e de 40-59 anos. A incidência de infecções por HIV manteve relativa estabilidade no total, mas com leve tendência de aumento entre 2007-2013. A infecção por HIV apresentou maior prevalência entre 20-49 anos e no sexo masculino, sendo acentuada a diferença entre os sexos ao longo dos anos. Em 2007, aproximadamente 60% dos casos de HIV ocorreram no sexo masculino, enquanto em 2018 esse número cresceu para aproximadamente 70%, com uma média de 64,6% nos 11 anos analisados.

Conclusão

As curvas de incidências das hepatites B e C crônicas e HIV se mantém sobrepostas ao longo dos anos, contudo a partir de 2013, observamos maior número de notificações de HCV, possivelmente, devido maior número de busca ativa de casos e notificações associada às novas terapias antivirais

Palavras-Chave

hepatite C, hepatite B, HIV

Área

Gastroenterologia - Fígado

Autores

Julia Barreto de Farias, Liz Lustoza Brandão, Bruna Santos Moura, Lucca Vieira Tineli, Sandrine Cordeiro Miranda, Catharine Conceição Martinez Garcia, Lourianne Nascimento Cavalcante