XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PORTADOR DE UMA DOENÇA ESTENOSANTE: UM RELATO DE CASO

Apresentação do Caso

Homem, 54 anos, foi encaminhado, em 2003, para o Hospital de sua região pois relatava intensas cólicas abdominais, constipação, vômitos, hematoquezia e astenia. Diante disso, foi realizada uma laparotomia de emergência e efetuada uma hemicolectomia direita. Pela piora do quadro clínico, em 2006, foi para o ambulatório de Gastroenterologista, o qual solicitou a realização de colonoscopia, hemograma e ferritina sérica, confirmando a suspeita de Doença de Crohn (DC) e anemia. Desse modo, iniciou tratamento com Entocort, Azatioprina e Noripurum endovenoso. Após 6 anos, iniciou terapia biológica endovenosa de 8 em 8 semanas com Infliximabe, o qual foi eficaz para a hematoquezia e anemias. No entanto, com o passar do tempo a medicação foi perdendo sua eficácia, e em 2020, realizou a troca pelo Humira, porém os sintomas persistiram. No inicio de 2021, houve estenose com vazamento de coleção, necessitando de internação de emergência, e inicio de antibioticoterapia e corticoide, drenagem e realização de ileocolectomia, retirando ao todo 47 centímetros do intestino do paciente. Em sua última consulta, foi avaliado os exames após cirurgia e neles já havia indícios de doença na aponeurose intestinal, instigando os médicos sobre a gravidade e veracidade desta doença, mas, por enquanto, para não agravar mais a patologia do paciente, retornou o tratamento com Infliximabe e Azatioprina.

Discussão

A doença de Crohn por se tratar de uma enfermidade crônica e inflamatória, necessita de acompanhamento contínuo, visando mantê-la controlada. Os sintomas do paciente citado iniciaram em 2003 e ainda persistem caracterizando, assim, a cronicidade e sem remissão. Os sintomas relatos para o gastroenterologista estão de acordo com Cardozo WS e Sobrado CW que apontavam na literatura os seguintes sintomas: dor abdominal, diarreia, emagrecimento, febre, má absorção, enterorragia, oclusão intestinal e mal-estar. Segundo Gasparini RG, Crohn pode evoluir com o acometimento de extensões do trato digestivo, como estenoses, caracterizando o quadro do paciente em questão. Nos casos em que a atividade intestinal é grave, de acordo com Romano S, é usualmente utilizado azatioprina, sendo eficaz para a remissão da DC, a qual foi utilizada pelo paciente relatado.

Comentários finais

Apesar de que o paciente seja diagnosticado com a DC, o último exame pós cirurgia deixou o médico intrigado por conta de que a doença progrediu mais rápido do que o esperado.

Palavras-Chave

Doença de Crohn; Ceco; Gastroenterologia.

Área

Gastroenterologia - Intestino

Autores

PATRICIA DUPONT, CAROLINE KUGERATSKI CARNEIRO, SIEGRID KURZAWA ZWIENER DOS SANTOS