XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Perfil dos pacientes com acalasia acompanhados em um hospital terciário

Introdução

Acalasia é uma disfunção motora do esôfago caracterizada pela ausência de relaxamento do esfíncter esofágico inferior (EEI). Ocorre com igual distribuição quanto ao gênero e à raça. Manifesta-se, principalmente, entre os 20 e 60 anos. Um dos principais sintomas é a disfagia de progressão lenta em geral, tanto para sólidos quanto para líquidos, além de tosse noturna, perda de peso, pirose e dor torácica. O diagnóstico é sugerido pelo quadro clínico, mas deve ser confirmado por uma combinação de exames como endoscopia digestiva alta, estudo radiológico contrastado do esôfago (esofagograma) e manometria esofágica. O tratamento pode ser farmacológico, porém esses não mostram respostas satisfatórias, e endoscópico através da injeção de toxina botulínica no esôfago distal, de dilatação da cárdia com balão de baixa complacência ou de miotomia peroral do esfíncter inferior (POEM).

Objetivo

Avaliar o perfil epidemiológico e clínico dos pacientes com diagnóstico de Acalasia acompanhados no ambulatório em um hospital terciário.

Método

Estudo de coorte, retrospectivo, descritivo, com utilização de questionários pré-estruturados para coleta de informações a respeito do perfil epidemiológico, etiologia da acalasia, tempo entre o início dos sintomas e o diagnóstico, escore de Eckardt inicial e da última consulta, principais sintomas apresentados ao diagnóstico, exames diagnósticos realizados, métodos terapêuticos utilizados e tempo de controle dos sintomas. Informações obtidas através de análise de prontuários dos pacientes com diagnóstico de Acalasia atendidos no ambulatório de hospital terciário.

Resultados

Foram avaliados 30 pacientes, sendo a maioria do sexo feminino, com idade média de 48 anos, tendo como principal comorbidade a HAS, com discreta prevalência da etiologia idiopática. Os pacientes apresentaram uma mediana de 4 no escore de Eckardt na primeira consulta, com um tempo médio de 7 anos entre o diagnóstico e os sintomas. A disfagia foi o principal sintoma. A EDA e esofagograma mostrou alterações compatíveis com acalasia na maioria dos casos. Em relação ao tratamento cirúrgico houve uma predominância de melhor resposta ao tratamento cirúrgico com cardiomiotomia à Heller (LMH).

Conclusão

A partir da coleta de dados, descobrimos um perfil epidemiológico e clínico, baseados nos resultados que mostram predominância em relação à idade, sexo, etiologia e sintomas . Essas informações podem ser usadas para orientar quanto a um possível perfil dos pacientes com acalasia.

Palavras-Chave

Acalasia- Perfil epidemiológico- Hospital terciário

Área

Gastroenterologia - Esôfago

Autores

Carina de Oliveira Gregório Gregório, Gardênia Costa do Carmo, Tatiana Pinheiro Dantas, Raissa Ferreiro Facundo, Francisco Sérgio Rangel de Paula Pessoa