XX Semana Brasileira do Aparelho Digestivo

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

COLECISTITE AGUDA ALITIÁSICA EM PACIENTES COM COVID-19: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Introdução

A colecistite aguda acalculosa (CAA) é uma doença rara, relacionada à condição inflamatória na vesícula biliar, sem cálculos biliares. Possui relação com a gravidade da enfermidade que a antecede, uso de ventilação mecânica, nutrição parenteral total prolongada, sepse e infecções. Nesse sentido, a COVID-19 trouxe novos desafios para a medicina, principalmente associada aos cuidados terapêuticos nos pacientes em estado crítico e na fisiopatologia do vírus, que ainda está em constante descoberta.

Objetivo

Analisar a presença da colecistite aguda acalculosa em pacientes infectados com a COVID-19, concomitante às suas características clínicas, laboratoriais e tratamento, a ponto de reunir as evidências científicas mais atuais e disponíveis até o momento.

Método

Trata-se de uma revisão sistemática, a partir das bases de dados PubMed, Google Acadêmico, EMBASE, MedRxiv e BioRxiv, seguindo o guia do PRISMA, sem limitação de idioma, localização e período. O protocolo do estudo foi registrado previamente no PROSPERO sob o número de registro CRD42021240016.

Resultados

Dados de 11 estudos foram encontrados, com 2 de caráter transversal e 9 relatos de casos. Nos relatos de casos continham um total de 10 pacientes com colecistite aguda e Covid-19. Em relação ao gênero, 80% eram masculinos, com idade mediana de 65 anos. Nove pacientes (90%) tiveram os primeiros sintomas da inflamação vesícula após longos períodos de internação seguidos por intubação, após a extubação ou durante uso de cânula nasal. O tempo de internamento teve mediana de 44 dias. A dor abdominal foi o sintoma mais prevalente em 8 pacientes (80%), porém 20% dos pacientes não apresentaram sintomas por estarem no momento sedados em ventilação mecânica. O exame laboratorial mais presente nos pacientes foram leucocitose e enzimas hepáticas elevadas com 80%. Nenhum dos casos relataram a presença de RNA viral na bile. E não houveram óbitos registrados nos pacientes descritos.

Conclusão

A maioria dos artigos relacionaram a clínica biliar dos pacientes após o longo período de internação, porém ainda não está claro se a CAA pode ocorrer por uma patologia direta com o vírus ou apenas como consequência do tratamento de enfermos em estado crítico. Entretanto, é importante ressaltar que mínimas alterações laboratoriais merecem atenção em pacientes internados pela COVID-19. Nesse sentido, mais estudos são necessários para investigar a associação entre essas duas doenças.

Palavras-Chave

Colecistite Acalculosa. Inflamação da Vesícula Biliar Acalculosa. COVID-19. Revisão Sistemática.

Área

Gastroenterologia - Pâncreas e Vias Biliares

Autores

SCARLAT MARJORY DE OLIVEIRA MOURA, ROSELINI MARIA SAMPAIO SANTIAGO OLIVEIRA, LUCIANA SANTOS RIBEIRO DA CRUZ, NILTON RIBEIRO DA CRUZ, NOELIA GONÇALVES DOS SANTOS